Saber da Saúde | Iniciativa Boston Scientific
Banner Inicial Banner Inicial

Conheça um novo Saber da Saúde. Muito mais conteúdo e novas ferramentas. Informe-se com a gente!

Sobre nós

Confira a página de Parkinson: conheça detalhes da condição, tratamento e muito mais.

Clique aqui

Conheça Rezūm™, solução inovadora para Hiperplasia Prostática Benigna.

Acesse agora

Use o menu abaixo e explore artigos sobre cada condição clínica

Todas as áreas terapêuticas
  • Neurologia
  • Coração
  • Saúde Urológica
  • Cânceres e Tumores
  • Sistema Circulatório
  • Obesidade
  • Outras Condições
  • Acesso á saúde
  • Todas as áreas terapêuticas
Síndrome da dor regional complexa: tratamento multimodal é a chave

Sistema Nervoso

Síndrome da dor regional complexa: tratamento multimodal é a chave

O uso de fármacos associado a fisioterapias, neuromodulação e tratamentos psicológicos, entre outras terapias, têm surtido os melhores resultados

A dor aparece logo após um trauma, que pode ser desde uma pancada no local até mesmo uma queimadura. Mas o que difere a síndrome da dor regional complexa (SDRC) de um evento isolado é a intensidade do desconforto: bem maior do que o esperado e até mesmo desproporcional para o trauma em questão. E, pior, o incômodo costuma durar muito mais tempo do que seria o esperado, sem nenhum alívio na dor¹ .

A síndrome da dor regional complexa acomete mais os adultos jovens e é de 2 a 3 vezes mais comum em mulheres²

Quem desenvolve a SDRC costuma descrever a dor usando termos como dor espontânea, queimação intensa, dor lancinante, aguda, com pontadas ou tipo choque elétrico³ . Como não existe nenhum exame laboratorial ou de imagem capaz de comprovar a condição, o diagnóstico é sempre clínico, sendo que alguns testes podem ser solicitados apenas para descartar outras patologias, como radiografias e eletromiografia, para registro de atividade muscular.

A SDRC, em geral, possui sintomas unilaterais, ou seja, apenas um membro é afetado, seja ele mão, pé, braço ou perna. Mas o quadro se divide em dois tipos distintos⁴ :

  • Tipo I: Ocorre após uma lesão de tecido mole ou ósseo e já foi chamada de distrofia simpático-reflexa. É comum que apareça após uma colisão, afetando um membro inferior, mas também pode ser resultado de um infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) ou até em casos de câncer, como os que acometem mamas, pulmão, ovários ou tumores do sistema nervoso central. Outro fator recorrente é a dor aparecer após a imobilização do membro com gesso.
  • Tipo II: As causas costumam ser parecidas com a SDRC do tipo I, com a diferença crucial de que a lesão acontece em um nervo periférico, antes chamada de causalgia.

Tratamento multimodal

É difícil calcular o prognóstico de evolução da dor: pacientes com SDRC podem ficar anos estáveis até terem uma nova crise que progride e se dissemina para outras áreas do corpo5. Por isso, o objetivo maior do tratamento é aumentar a mobilidade e o uso do membro afetado. E, para tanto, muitas terapias se fazem necessárias.

Dentre as terapias utilizadas, tem surtido bons resultados o uso de fármacos, de fisioterapia, do bloqueio simpático por meio de infusão de anestésicos, de tratamentos psicológicos e da terapia do espelho.

A terapia com estimulação dos nervos pode também ser indicada como tratamento e tem trazido bons resultados: “A neuromodulação, que é a modificação das conexões neurais, permite gerar uma terapia efetiva de alívio da dor nesses pacientes”, finaliza a neurocirurgiã Catarina Couras Lins, especialista em Dor pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

¹ Síndrome da Dor Regional Complexa. BMJ Best Practice. Última revisão Março 2023.
² Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.
³ Síndrome da Dor Regional Complexa. BMJ Best Practice. Última revisão Março 2023.
Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.
5 Síndrome da Dor Regional Complexa (SDRC). Manual MSD Profissional de Saúde. Acesso em Abril 2023.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde.

NM – 1595207 - AA – Saber da Saúde

Câncer colorretal: a prevenção está nos seus hábitos de vida

Outras Condições

Câncer colorretal: a prevenção está nos seus hábitos de vida

A falta de atividade física associada a uma dieta pouco saudável tem relação com o desenvolvimento desse tipo de câncer. Por isso o rastreio é tão importante

Você sabia que o câncer colorretal (também chamado de câncer de intestino) é um tipo de tumor maligno potencialmente prevenível, já que é possível modificar a história de uma lesão pré-neoplásica [um pólipo], interrompendo o seu ciclo de crescimento? E isso é feito a partir de exames de imagem, como a colonoscopia ou a retossigmoidoscopia, que, além do diagnóstico também podem realizar uma ressecção deste pólipo, ou seja, retirá-lo totalmente do intestino ou do reto, e dessa forma evitar o surgimento do câncer.

Por isso, o rastreio do câncer colorretal é tão importante. No Brasil, a indicação é para que comece aos 50 anos na população em geral e a partir dos 40 anos em pessoas com casos na família. Há sociedades médicas internacionais, como a norte-americana, que indicam começar essa investigação aos 451. Depois, a partir do resultado, cada paciente recebe uma indicação de acompanhamento para os próximos anos.

Saiba mais:

O que é mito e o que é verdade sobre o câncer colorretal?
5 fatores que dificultam o diagnóstico e tratamento do câncer colorretal

Prevenção do Câncer colorretal

Só que ainda é possível adotar um passo anterior ao rastreio, que depende apenas do comportamento de cada indivíduo, como explica Mauro Donadio, oncologista especialista em tumores gastrointestinais e neuroendócrinos da Oncoclínicas São Paulo: “Estamos falando em atuar modificando os fatores de risco mais conhecidos, como dieta, sedentarismo e obesidade.”

No entanto, reconhece o médico, ainda é difícil convencer um paciente jovem a mudar hábitos ou a participar de um programa de rastreio para o câncer colorretal. “Eles acabam deixando para depois, especialmente porque muitas vezes não sentem nenhum sintoma importante”, resume.

Mas os estudos mais recentes sobre câncer colorretal têm enfatizado cada vez mais como o aumento do consumo de álcool e carnes processadas, associado ao tabagismo, sedentarismo e baixo consumo de fibras são importantes fatores de risco para o desenvolvimento desse tipo de tumor maligno em pacientes mais jovens.2

E se além de manter esses hábitos, o paciente tiver ainda histórico de pólipos de cólon (intestino grosso), doenças inflamatórias intestinais - como retocolite ulcerativa e doença de Crohn -, diabetes ou colecistectomia [remoção da vesícula biliar] o risco é ainda maior.

Para afastar esse risco, a chave é adotar medidas preventivas. Separamos as principais delas, de acordo com o especialista:

  • Coma mais frutas, verduras e legumes frescos
  • Diminua a ingestão de carboidratos refinados (açúcar e farinha branca), pois eles resultam em uma dieta hipercalórica
  • Reduza (ou evite de vez) a ingestão de bebidas alcoólicas
  • Evite o consumo de carne vermelha mal passada
  • Faça mais atividade física de impacto em seu metabolismo. Isso significa, por exemplo, caminhar por cerca de 30 minutos por dia, com intensidade moderada, aquela que faz suar.
  • Mantenha o peso adequado para o seu biotipo

Quer saber mais sobre câncer colorretal?

Clique aqui para acessar nossa página sobre Março Azul – Campanha de conscientização sobre o câncer colorretal – e confira informações importantes sobre a doença, formas de prevenção, tratamentos e apoio. Sua conscientização faz toda a diferença. Vamos lutar juntos contra o câncer colorretal!

1 American Cancer Society’s Advances in Oncology – 2023 Research Highlights

2 Sawicki T, Ruszkowska M, Danielewicz A, Niedźwiedzka E, Arłukowicz T, Przybyłowicz KE. A Review of Colorectal Cancer in Terms of Epidemiology, Risk Factors, Development, Symptoms and Diagnosis. Cancers (Basel). 2021 Apr 22;13(9):2025. doi: 10.3390/cancers13092025 PMID: 33922197; PMCID: PMC8122718.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo ou em www.IFU-BSCI.com. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2023 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde

ATENÇÃO III: Somente para fins informativos. O conteúdo deste artigo/publicação é de responsabilidade exclusiva de seu autor/editor e não representa a opinião da BSC.
ENDO = 1822602 – AA – Saber da Saúde

Histórias

"Levei um ano para buscar o resultado do exame, e lá estava o diagnóstico de câncer de próstata"

Com a descoberta precoce, Fernando Mendonça passou por cirurgia e, 10 anos depois, segue uma vida normal e saudável

Farmacêutico e técnico de laboratório, Fernando Mendonça precisa fazer  exames médicos periodicamente como parte das exigências de seu cargo de servidor público. E foi essa rotina que mudou sua história, quando ele tinha acabado de completar 40 anos. Ativo e sem apresentar nenhum tipo de sintoma, seu fator de risco para o câncer de próstata era o histórico familiar, já que seu pai havia tido a doença.

"Na época, passei por uma médica, que hoje a considero um anjo. Ela disse: 'eu sei que é muito cedo, você é novo, mas vamos fazer um PSA?'. O exame de sangue, considerado padrão ouro no diagnóstico da doença, monitora a presença do Antígeno Prostático Específico e é recomendado para todos os homens a partir dos 50 anos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia. 

Porém, homens negros ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos ou menos, como no caso de Fernando. "Eu concordei com a médica, fiz o exame e ele apresentou alteração. Então, ela pediu que eu procurasse um urologista", relembra. 

O farmacêutico seguiu rastreando os níveis de PSA, passou por especialista e fez o exame de toque retal, sem que fosse detectado aumento de próstata. "Precisei fazer biópsia e demorei um ano para buscar o resultado. Quando fiz isso, veio a notícia que eu tinha câncer de próstata. O médico foi extremamente tranquilizador e disse que, como eu tinha 41 anos, o prognóstico era excelente".

O tratamento do câncer de próstata depende do estado de saúde do paciente e da evolução do tumor, e pode incluir: quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia (para impedir a produção de testosterona) e cirurgias.

Entre as cirurgias, o médico pode optar pela ressecção transuretral da próstata (RTUP), também conhecida como "raspagem da próstata"), em que o tecido doente é removido; a prostatectomia robótica, em que o médico comanda os braços robotizados por pequenos cortes na pele e remove a próstata; prostatectomia radical aberta, mais invasiva e realizada com menos frequência, e prostatectomia radical por laparoscopia, em que a cirurgia para a retirada total da próstata é guiada por vídeo. 

No caso de Fernando, o urologista optou pela retirada total da próstata. Hoje, mais de 10 anos depois da cirurgia, o farmacêutico leva uma vida normal. "Não tenho restrições, não tomo nenhuma medicação e também fiquei sem sequelas. Tudo o que preciso fazer é o controle anual".

Com diagnóstico precoce, rápido tratamento e cura, o servidor público faz um alerta sobre a importância do autocuidado. "Não tenho dúvidas de que o melhor remédio é o controle. O homem, naturalmente, tem essa dificuldade de procurar um médico, mas é preciso se conscientizar que o exame precoce pode mudar tudo. Minha dica é: procure um urologista assim que fizer 40 anos", finaliza.

 

ATENÇÃO: A lei restringe a venda destes dispositivos a médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Os produtos mostrados apenas para fins INFORMATIVOS e a venda pode não ter sido aprovada em alguns países. Este material não se destina ao uso na França. 2022 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde
URO – 1450207 – AA – Saber da Saúde
Marca-passo: 5 coisas que você não sabia

Coração

Marca-passo: 5 coisas que você não sabia

Apesar dos tabus e do medo a respeito do aparelho, tecnologia é segura e proporciona qualidade de vida aos pacientes

Pode até assustar, em um primeiro momento, saber que você, um familiar ou amigo vai passar por uma cirurgia para o implante de um marca-passo. No entanto, a verdade é que essa tecnologia está bem longe de ser uma vilã. Segundo dados do Censo Mundial de Marca-passos e Desfibriladores, cerca de 300 mil brasileiros utilizam marca-passos no País e aproximadamente 49 mil realizam o implante deste tipo de dispositivo por ano.

Indicado para o tratamento de diferentes tipos de bradicardia, condição em que o ritmo cardíaco é irregular ou lento, o marca-passo funciona como um estimulador do coração. Para casos mais específicos, a tecnologia pode também funcionar como um desfibrilador, dando o choque responsável por reverter uma arritmia capaz de levar à morte súbita.

O cardiologista Alexsandro Alves Fagundes, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac), explica que o marca-passo funciona como um pequeno computador que identifica a necessidade e faz a estimulação adequada ao coração do paciente. "Às vezes a bateria tem uma sofisticação que o torna mais que um marca-passo, é um desfibrilador que pode reverter uma parada cardíaca, chamado de cardioversor desfibrilador implantável (CDI). Ele recebe todas as informações sobre o ritmo do coração, por meio de um eletrodo que capta esses sinais, e entende se precisa modificar a frequência ou emitir um choque, por exemplo. Tudo vai depender de como o médico programou e qual é o objetivo para aquele paciente."

Ainda assim, ter uma tecnologia capaz de auxiliar o ritmo cardíaco não é impeditivo para uma vida normal. De acordo com Fagundes, a patologia é o que vai definir a mudança no estilo de vida do paciente.

Veja também:

Será que todos os pacientes com arritmia precisam de anticoagulantes?
Arritmia: conheça os tratamentos indicados
Você sabia que arritmia não é sempre igual? Entenda as diferenças

Esclareça cinco das principais dúvidas sobre ter um marca-passo

Rotina e manutenção

Ainda que o paciente possa ter uma vida normal, é importante manter a manutenção do aparelho em dia, com avaliação e check-up a cada seis meses. O marca-passo precisa ser trocado de 8 a 10 anos após sua colocação, em média.

Segurança da informação

Apesar de ser um aparelho de alta tecnologia, o marca-passo não pode ser hackeado. "Um hacker não pode entrar em um marca-passo e modificar sua programação porque o dispositivo é capaz de emitir as informações para um servidor, mas não de recebê-las de uma fonte externa", desmistifica o médico.

Alta complexidade e pequeno porte

Fagundes explica que, apesar da alta complexidade, a cirurgia para colocação de um marca-passo é considerada de pequeno porte, levando de 40 minutos a uma hora, com leve sedação, acompanhamento radiológico e alta no dia seguinte.

Tabus sobre o marca-passo

Muito se fala sobre os perigos associados ao aparelho, como o uso de controle remoto, geladeira, telefone sem fio, chuveiro elétrico e outros. "Tudo isso é um tabu, não há embasamento algum. Algumas atividades de fonte eletromagnéticas podem gerar danos mais sérios, mas tudo está mudando. Antes, não era possível fazer ressonância magnética, agora, os novos modelos já são compatíveis com esse tipo de exame".

Retorno às atividades

De acordo com o cardiologista, alguns pacientes podem voltar à antiga rotina de forma integral, até mesmo os atletas. No entanto, tudo vai depender da doença do paciente e da avaliação de sua condição geral. Em alguns casos, pode ser necessário uma cirurgia maior ou até mesmo um transplante de coração.

Agora que você se informou sobre insuficiência cardíaca, aproveite e acesse demais conteúdos sobre Coração.

ATENÇÃO: A lei restringe a venda desses dispositivos por médicos ou mediante prescrição médica. As indicações, contraindicações, advertências e instruções de uso podem ser encontradas na etiqueta do produto fornecida com cada dispositivo. Produtos mostrados apenas para fins de INFORMAÇÃO e não podem ser aprovados ou vendidos em determinados países. Este material não se destina ao uso na França. 2022 Copyright © Boston Scientific Corporation ou suas afiliadas. Todos os direitos reservados.

ATENÇÃO II: Este material é apenas para fins informativos e não para diagnóstico médico. Esta informação não constitui aconselhamento médico ou jurídico, e a Boston Scientific não faz nenhuma representação em relação aos benefícios médicos incluídos nesta informação. A Boston Scientific recomenda fortemente que você consulte seu médico em todos os assuntos relativos à sua saúde

CRM – 1426308 – AA – Saber da Saúde

Encontre o caminho da sua saúde

Novas páginas do Saber da Saúde

Tudo o que você precisa saber sobre as principais condições clínicas, agora com recursos para ajudar você a encontrar um especialista e chegar a um diagnóstico, materiais multimídia, entre outros recursos. Navegue pelo menu abaixo e encontre sua página:

Informações e
orientações de
confiança.

Testes que
ajudam você a
entender
melhor sua
condição clínica

Procure e encontre
um médico
especialista perto
de você e marque
sua consulta.

Recursos
multimídia e
downloads para
você se informar
ainda mais.

Apoio na busca
pelo tratamento
correto com
nossos concierges

Informações e
orientações de
confiança.

Testes que
ajudam você a
entender
melhor sua
condição clínica

Procure e encontre
um médico
especialista perto
de você e marque
sua consulta.

Recursos
multimídia e downloads para você se informar ainda mais.

Atendimento e suporte pelo whatsapp junto com você até o tratamento.

Conteúdos interativos para você encontrar sua Saúde

leap

Dê uma nova chance para a vida com Parkinson

Saiba mais sobre a condição e responda ao quiz para descobrir se você é elegível para o tratamento de Estimulação Cerebral Profunda (DBS).

Entenda seu momento
Dor cronica

Descubra se você tem Dor Crônica

O caminho para o alívio da dor começa com o primeiro passo. Acesse a página e faça o teste e seja direcionado ao médico especialista.

Entenda sua dor
disfuncao

Faça o teste de Disfunção Erétil

Informe-se sobre a condição, encontre um médico especialista, conheça as opções de tratamento e redescubra sua vida sexual.

Encontre o caminho
prostata

Tudo sobre HPB

Entre no site e entenda a gravidade dos possíveis sintomas da Hiperplasia Prostática Benigna e conheça o tratamento.

Responda ao teste
×

Sistema Circulatório

Trombose Tromboembolismo Pé diabético
×

Outras Condiões

Diabetes Obesidade
×

Obesidade

Assista ao filme e entenda nosso propósito

Conheça uma alternativa ao SUS e aos planos de saúde.

Com LEAP+ você pode financiar procedimentos médicos de forma ágil e acessível, em parcelas que cabem no seu bolso.

Assiste ao vídeo

O Saber da Saúde tem o objetivo de combater a desinformação e ajudar na prevenção das condições clínicas que você encontra no portal. Todos os conteúdos são desenvolvidos por médicos e especialistas, mas é importante deixar uma coisa bem clara: esse site NÃO SUBSTITUI SEU MÉDICO.

Se você ou alguém que você
conhece apresenta
quaisquer sintomas,
procure imediatamente
um especialista.

Cadastre-se e receba mais informações